Thomas Samson/AFP
Thomas Samson/AFP

EUA expulsam encarregado de negócios sírio após massacre em Houla

França, Reino Unido, Canadá, Itália, Espanha, Alemanha e Austrália também exigiram que diplomatas deixassem países

estadão.com.br,

29 Maio 2012 | 09h53

Texto atualizado às 15h05

WASHINGTON- Os Estados Unidos expulsaram nesta terça-feira, 29, o encarregado de negócios sírio em Washington, Jabbour Zuheir, que tem 72 horas para abandonar o país, segundo informou a porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland.

Veja também:

linkEspanha segue França e Alemanha e expulsa embaixador da Síria

linkEntenda quem é quem no conflito sírio

linkEnviado da ONU Annan encontra presidente sírio Assad

O país qualificou de "violações flagrantes" os últimos eventos ocorridos na Síria e encorajou a comunidade internacional a "condenar as ações do regime de Bashar al Assad" tomando medidas similares contra os diplomatas sírios.

Os EUA responsabilizam o governo sírio pelo massacre ocorrido no último dia 25 de maio em Houla, onde morreram 108 pessoas, das quais 49 eram crianças, segundo os observadores das Nações Unidas.

Reações de outras potências

Além dos Estados Unidos, a intensificação da violência na Síria levou diversos países a anunciarem a expulsão de diplomatas sírios de seus territórios, como França, Reino Unido, Canadá, Itália, Espanha, Alemanha e Austrália.

A França comunicou nesta terça-feira a expulsão do embaixador sírio como o objetivo de elevar a pressão a Damasco. O presidente François Hollande disse aos jornalistas que a embaixadora Lamia Shakkour será notificada "hoje ou amanhã" de que deve deixar o país.

Hollande disse que durante discussões com o primeiro-ministro britânico David Cameron e com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon "decidimos tomar uma série de medidas de pressão contra a Síria", que incluem a expulsão dos diplomatas.

Autoridades britânicas também disseram que diplomatas sírios serão expulsos do país em protesto contra as mortes da semana passada. As fontes falaram em condição de anonimato, já que o secretário de Relações Exteriores William Hague ainda não fez o anúncio oficial.

Comunicado do governo italiano informa que o embaixador da Síria em Roma também será expulso. "O embaixador Khaddour Hasan foi convocado ao Ministério de Relações Exteriores e comunicado que é ''persona non grata''", diz o documento, expressando a "indignação pelos crimes hediondo realizados contra a população civil".

Espanha, Itália, Austrália, Canadá e Alemanha também informaram que expulsarão diplomatas sírios de seus territórios.

Hollande disse também que Paris vai realizar uma reunião, no início de julho, com os chamados Amigos da Síria, para buscar uma solução diplomática para o conflito.

As informações são da Efe, Associated Press e da Dow Jones.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.