EUA falam em 91 mortos em atentado

Noventa e uma pessoas morreram em trêsataques simultâneos contra complexos habitacionais na ArábiaSaudita, informaram autoridades nesta terça-feira. Dos 91mortos, sete são americanos. Em Washington, uma fonte ligada ao Departamento de Estado dosEUA elevou a 91 o número de mortos, mas não entrou em detalhessobre a nacionalidade das vítimas. Em visita à Arábia Saudita, o secretário de Estado dos EUA,Colin Powell, disse que os ataques "têm a marca da Al-Qaeda",organização extremista liderada pelo milionário saudita noexílio Osama bin Laden. Cálculos oficiais anteriores mantinhamem torno de 20 o número de mortos. A agência estatal de notícias Saudi Press citou uma fonte nãoidentificada do Ministério do Interior do país para informar queos extremistas utilizaram carros repletos de explosivos em"operações suicidas" que causaram a morte de sete sauditas,sete americanos, dois jordanianos, dois filipinos, um libanês eum suíço em três complexos residenciais. Além disso, nove corpos carbonizados aparentemente pertenciamaos militantes suicidas responsáveis pela ação.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, afirmou que os ataques ocorridos namadrugada em Riad, capital da Arábia Saudita, mostram que aguerra contra o terrorismo não acabou e prometeu caçar osresponsáveis pelas bombas. "Os ataques na Arábia Saudita, a morte cruel de cidadãosnorte-americanos e de outras nacionalidades, nos faz lembrar quea guerra contra o terrorismo continua", disse Bush empronunciamento em Indianápolis. "Os Estados Unidos vão encontrar esses assassinos e eles vãoaprender o que significa a justiça norte-americana", declarou. Nesta terça-feira, o FBI (polícia federal americana) anunciouo envio de uma equipe de especialistas para investigar asexplosões que ocorreram ontem em Riad, informou a CNN. O grupo éformado por 12 agentes que viajarão ainda hoje para a ArábiaSaudita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.