EUA fazem aviso ao Líbano no caso de militantes formarem novo governo

Porta-voz americano diz que relações entre países será difiícil se Hezbollah tiver maioria

Associated Press

24 de janeiro de 2011 | 19h57

WASHIGNTON - O governo Obama avisou os líderes políticos do Líbano que seguir com o apoio americano será difícil se o movimento militante Hezbollah ganhar papel dominante no governo.

 

O porta-voz do Departamento de Estado, P.J. Crowley, disse nesta segunda-feira, 24, que quanto maior for o papel do Hezbollah no governo, "mais problemática" será a relação EUA-Líbano. O Estados Unidos veem o Hezbollah como uma organização terrorista.

 

Os comentários de Crowley foram feitos ao mesmo tempo em que o Hezbollah, apoiado pelo Irã, consegue o apoio de grande parte do Parlamento para lançar sua candidatura para o posto de primeiro-ministro.

 

Ele se negou a dizer o que os EUA fariam se o candidato do Hezbollah se tornar de fato primeiro-ministro e conseguir formar um governo, mas disse que seria "difícil" continuar com as relações como sempre foram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.