EUA fazem "mea culpa" por fuga de Bin Laden

Os Estados Unidos fizeram hoje um "mea-culpa" ao admitirem que a fuga de Osama bin Laden de Tora Bora (Afeganistão), no final do ano passado, pode ter ocorrido por um erro do Pentágono. O secretário americano de Defesa, Donald Rumsfeld, não negou hoje a possibilidade de que o chefe da rede terrorista Al-Qaeda estivesse nas cavernas de Tora Bora entre novembro e dezembro de 2001, quando as tropas americanas lançaram uma poderosa ofensiva na região.?Havíamos recebido naquele momento diferentes dados, mas nunca tivemos a certeza de que Osama bin Laden estivesse efetivamente em Tora Bora", disse.Segundo jornal The Washington Post, a conclusão à qual aparentemente chegou a Casa Branca está baseada em informações recolhidas pela inteligência dos EUA em interrogatórios realizados junto aos prisioneiros da base militar de Guantánamo (Cuba).De acordo com informações da inteligência citadas pelo jornal, o comandante das operações americanas no Afeganistão, general Tommy Franks, cometeu "o mais grave erro dos Estados Unidos na caça ao líder da Al-Qaeda, ao limitar a participação das tropas de seu país em operações realizadas apenas em Tora Bora".A confiança de Franks nas forças afegãs da etnia pashtun foi brindada com uma péssima resposta: as tropas locais, por incapacidade e corrupção, não conseguiram cumprir a tarefa de barrar o caminho de fuga do Paquistão dos dirigentes da Al-Qaeda.Dos cerca de mil membros da organização terrorista distribuídos nas cavernas de Tora Bora, apenas 300 foram capturados pelas forças da coalizão.Diferentes fontes informaram que Bin Laden estava em Tora Bora durante os ataques. Outras fontes revelaram que, em 3 de dezembro, o chefe da Al-Qaeda havia realizado um discurso a suas tropas. No entanto, segundo o Post, poucos dias depois Bin Laden conseguiu escapar do cerco americano.O chefe do Estado-Maior dos Estados Unidos, general Richard Myers, afirmou hoje que "as operações de Tora Bora não foram um fracasso", apesar da impossibilidade de capturar o milionário saudita. "E necessário focalizar o objetivo mais geral da situação; a operação foi um êxito", afirmou.O Post afirmou que depois de Tora Bora o general Franks mudou sua tática, aprendendo com o erro cometido, ao dar ênfase a suas tropas comprometidas em terra, ao invés das operações confiadas às forças afegãs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.