EUA fecharão embaixada no Paquistão amanhã

A embaixada dos Estados Unidos em Islamabad e os consulados do país no Paquistão permanecerão fechados amanhã por causa dos protestos contra a libertação de um agente da CIA acusado de duplo homicídio.

AE, Agência Estado

17 de março de 2011 | 19h17

Pequenas manifestações ocorreram em todo o país depois que o norte-americano Raymond Davis, que matou a tiros dois homens na cidade de Lahore, em janeiro, foi libertado na quarta-feira, após pagar US$ 2 milhões às famílias dos mortos. "A embaixada e os consulados dos Estados Unidos estarão fechadas para as funções de rotina amanhã", disse hoje o porta-voz Alberto Rodriguez. A decisão foi tomada "por questões de segurança pública em geral, porque pode haver manifestações amanhã".

O maior protesto hoje foi em Lahore, onde 800 estudantes se reuniram no campus da Universidade de Punjab gritando frases contra os EUA, como "morte à América". A segurança foi ampliada no consulado norte-americano na cidade e várias ruas próximas foram bloqueadas com arame farpado e pedaços de concreto.

Em Peshawar, a polícia usou gás lacrimogêneo para afastar cerca de 100 estudantes que tentavam bloquear a principal via fora da cidade universitária. Nove estudantes foram presos, disse o policial Mohammad Ijaz à agência France Presse. Alguns manifestantes atiraram pedras e outros queimaram uma ilustração de Davis. Cerca de 300 pessoas também se reuniram na cidade de Multan e pequenos protestos foram realizados na capital, Islamabad.

As famílias dos dois mortos, que receberam o "dinheiro de sangue" ou "diyat", prática legal pela legislação paquistanesa e que obedece a lei islâmica da Sharia, desapareceram após a decisão, disseram um primo e um vizinho à agência France Presse. Os EUA alegam que Davis matou os homens em legítima defesa, já que eles teriam tentado roubar seu carro. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
protestoEUAembaixadaPaquistãoDavis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.