EUA: Fidel Castro pode não sobreviver em 2007

Membros do governo dos Estados Unidos revelaram que a saúde do presidente de Cuba, Fidel Castro, de 80 anos, está piorando a ponto não acreditarem que ele possa sobreviver em 2007. Um desses políticos, que pediu para não ter a identidade revelada, disse que, com a quimioterapia, o líder cubano possa sobreviver um ano e meio. Sem ela, a expectativa cai para entre três e oito meses. As especulações começaram com a divulgação de fotos de Castro que o mostram magro e debilitado. As suspeitas foram reforçadas semana passada após o ministro de Relações Exteriores cubano, Felipe Perez Roque, recuar em sua previsão inicial de que Castro voltaria ao poder no começo de dezembro. "É um assunto que não quero especular." Membros do governo americano admitem haver mistérios sobre o diagnóstico da doença de Castro, o tratamento e como ele está reagindo. Eles acreditam que o líder cubano tenha câncer no estômago, no cólon ou no pâncreas. Eles não falam publicamente sobre o método usado para saber o estado do líder cubano. Mas as agências de espionagem americanas incluem médicos que estudam fotos, vídeos e outras informações vindas de Cuba. Uma avaliação mais precisa poderá ser feita se Castro comparecer à celebração do seu 80º aniversário, em dezembro. Inicialmente, a cerimônia estava marcada para o dia 13 de agosto, mas foi adiada por causa do seu estado de saúde.

Agencia Estado,

12 Novembro 2006 | 17h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.