EUA impediram cessar-fogo entre Israel e Líbano, diz Bolton

Os Estados Unidos fizeram uma manobra política para postergar a negociação de um cessar-fogo entre Israel e Líbano, com o objetivo de dar a Tel Aviv mais tempo para bombardear e minar as operações do Hezbollah. A polêmica declaração é do ex-embaixador dos Estados Unidos na ONU, John Bolton, dada durante uma entrevista à BBC, em Londres.A necessidade era de um cessar-fogo imediato, no entanto, de acordo com o diplomata norte-americano, tanto a comunidade internacional quanto os Estados Unidos e o Reino Unido ignoraram a necessidade do acordo, com o intuito de privilegiar os "perigosos e desviados" ataques israelenses contra a milícia armada instalada no Líbano.Para Bolton, os Estados Unidos deram carta branca para os ataques israelenses contra a milícia. "O que tem de errado nisto? Eles foram atacados e estavam revidando. O fato é que Israel estava sujeito a um acordo militar com o Hezbollah", afirmou durante a entrevista."Hezbollah cometeu um ato de agressão e Israel estava reagindo, em sua própria defesa. Até onde sei sobre política internacional, reagir em defesa da segurança do seu território é perfeitamente legítimo", minimizou o ex-embaixador.A declaração do diplomata indica que os Estados Unidos adotaram manobras políticas na tentativa de postergar a ação do grupo internacional que atuava pelo fim do conflito, que durou 34 dias e deixou um saldo de aproximadamente 1.200 mortos, de acordo com grupos humanitários e agências dos governos locais. De acordo com a Associated Press, a maioria era formada por civis libaneses.Matéria alterada às 11h42, para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.