EUA impõe sanções a financiadores de grupos extremistas

EUA impõe sanções a financiadores de grupos extremistas

Os indivíduos foram classificados como "terroristas globais" e excluídos do sistema bancário americano; qualquer ativo que tenham nos EUA foi congelado

Estadão Conteúdo

24 de setembro de 2014 | 18h06

O Departamento do Tesouro americano impôs, nesta quarta-feira, sanções a oito pessoas que alega terem ajudado financeiramente ou facilitado ações de combatentes estrangeiros que se uniram ao Estado Islâmico ou à Frente Nursa, dois grupos extremistas sírios alvo de recentes ataques militares dos EUA.

Os indivíduos foram classificados como "terroristas globais" e excluídos do sistema bancário americano. Qualquer ativo que tenham nos EUA foi congelado.

O Tesouro também sancionou três pessoas e um instituição de caridade que os EUA afirmam terem apoiado a Jemaah Islamiya, grupo ligado à Al-Qaeda no sudeste asiático, acusado de bombardear uma casa noturna em Bali em 2002, causando a morte de mais de 200 pessoas.

Os dois militantes do Estado Islâmico identificados, Tarkhan Batirashvili e Tariq Al-Harzi, são figuras de alto escalão no grupo baseado na Síria, afirmou o Departamento do Tesouro em uma declaração. De acordo com o órgão, Al-Harzi recrutou combatentes estrangeiros para realizarem ataques suicidas no Iraque e na Síria.

Entre os financiadores da Frente Nursa, três são de países aliados (Turquia, Jordânia e Kuwait), de acordo com o Tesouro. A Frente Nursa, afilida da Al-Qaeda que luta contra o presidente sírio Bashar Assad, está trabalhando em uma parceria com o grupo Khorasan, célula da Al-Qaeda bombardeada pelos EUA na segunda-feira, informaram autoridades americanas. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAsanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.