EUA impõem sanções a chanceler sírio

WASHINGTON

, O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2011 | 00h00

O governo dos EUA atribuiu ontem "responsabilidade pessoal" ao ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al-Moallem, por crimes cometidos pelo regime de Bashar Assad na repressão aos insurgentes que exigem a saída do presidente.

Usando uma linguagem nada diplomática, o Departamento de Estado americano afirmou que Al-Moallem atua como um "instrumento desavergonhado" na tentativa de Assad de esconder a brutalidade do regime durante a repressão, além de garantir a continuidade do apoio do Irã a Damasco, atuando como "porta-voz" do regime sírio nessa relação.

Na terça-feira, Al-Moallem teve seus bens nos EUA bloqueados e empresas americanas foram proibidas de manter negócios com ele. Outros dois altos funcionários do regime Assad, Buthaina Shaaban e Ali Abdul Karim Ali, sofreram sanções semelhantes no mesmo dia. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.