NYT
NYT

EUA impõem sanções contra a petrolífera estatal da Síria

Medida é uma tentativa de retirar receitas de Damasco e de Teerã

AE, Agência Estado

10 de agosto de 2012 | 13h42

WASHINGTON - Os Estados Unidos impuseram nesta sexta-feira, 10, sanções contra a companhia petrolífera da Síria, a Sytrol, por negociar com o Irã. A medida é uma tentativa de retirar receitas tanto de Damasco quanto de Teerã. "Esse tipo de comércio permite que o Irã continue a desenvolver armas nucleares enquanto provê o governo sírio com recursos para oprimir sua própria população", disse em comunicado o Departamento de Estado dos EUA.

Veja também:

linkRebeldes sírios voltam a enfrentar o Exército em bairro estratégico de Alepo

linkRebeldes sírios afirmam que perderam controle de bairro em Alepo

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O porta-voz do Departamento de Estado, Patrick Ventrell, disse que as penalidades contra a Sytrol acontecem após ela ter entregado o equivalente a US$ 36 milhões em gasolina para o Irã em abril. Ao mesmo tempo, Teerã está "ajudando forças de segurança e milícias apoiadas pelo regime que estão cometendo horrorosas violações de direitos humanos contra o povo sírio."

No entanto, a medida não mudará muito a situação. Décadas de sanções dos EUA contra a Síria impediram o comércio de energia entre os dois países. A Sytrol exportava principalmente para a União Europeia, mas o bloco declarou embargo contra o petróleo do país no ano passado.

Ventrell disse que o apoio do Irã ao regime de Assad, incluindo envio de equipamentos para monitorar a atividade de oposicionistas na internet, é "completamente injustificável". Ele disse que o Irã teme perder seu único aliado no Oriente Médio.

Hezbollah

A administração do presidente Barack Obama também anunciou sanções contra o Hezbollah por apoiar o governo do presidente Bashar Assad. A ação é apenas simbólica, já que Washington já designa o grupo militante libanês como uma organização terrorista.

O Departamento do Tesouro condenou o treinamento, conselho e apoio logístico fornecido pelo Hezbollah ao regime de Assad. As sanções proíbem que norte-americanos façam negócios com o grupo e bloqueia seus ativos nos Estados Unidos. Essas regras estão valendo desde os anos 90, quando Washington declarou o Hezbollah como uma organização terrorista internacional.

As informações são da Associated Press e Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.