Sabri el Mhedwi/Efe
Sabri el Mhedwi/Efe

EUA incita Níger a regressar 'rapidamente' à democracia

Departamento de Estado norte-americano ainda não qualificou ocorrido no país como 'golpe de Estado'

Efe,

19 de fevereiro de 2010 | 22h01

O governo dos Estados Unidos incitou nesta sexta-feira, 19, o Níger a regressar "rapidamente" à democracia e ao Estado de direito, e a celebrar de imediato eleições justas e transparentes após o golpe de Estado instaurado na quinta-feira por uma junta militar na nação.

 

Veja também:

linkUnião Africana suspende Níger por golpe de Estado

linkGolpistas mantêm presidente retido e agravam crise no Níger

linkÁfrica do Sul reforça condenação a golpe de Estado no Níger

 

O porta-voz do departamento de Estado, Philip Crowley, disse sentir-se "satisfeito" com a forte reação da comunidade internacional ao golpe, inclusive a da União Europeia.

 

"Obviamente trabalharemos junto a nossos sócios internacionais e faremos tudo o que for possível para que a democracia volte o quanto antes ao Níger", disse Crowley.

 

O departamento de Estado ainda não qualificou formalmente o ocorrido no Níger como um golpe de Estado, o que levaria a suspensão imediata da ajuda dos Estados Unidos ao país africano.

 

Washington já havia suspendido em dezembro milhões de dólares em ajuda ao Níger, por considerar que o presidente Mamadou Tandja tentava se consolidar no poder.

 

"Expressamos nossa preocupação pela suspensão da Constituição", afirmou o porta-voz, que reiterou que não se pode recorrer à "violência política" para resolver tensões políticas.

 

O Níger vivia há vários meses em um clima de grande instabilidade política devido a decisão do presidente Tandja de ampliar seu mandato além do período de cinco anos estabelecido pela constituição do país.

 

Em agosto, Tandja convocou um referendo - que ganhou por ampla maioria entre acusações de fraude - para provar uma modificação constitucional que o permitiu se reeleger pela terceira vez.

 

União Europeia

 

A Alta Representante para a Política Exterior da UE, Catherin Ashton, condenou nesta sexta o golpe e pediu a volta da ordem constitucional no país.

 

Ashton exortou todos os atores envolvidos a colocar em marcha "imediatamente" um processo democrático que permita "o rápido estabelecimento da ordem constitucional no país".

Tudo o que sabemos sobre:
Nígergolpe de EstadoPhilip Crowley

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.