EUA iniciam o envio de Guarda Nacional para a fronteira com o México

Homens devem auxiliar no combate à imigração ilegal e ao tráfico de drogas.

Alessandra Corrêa, BBC

18 de agosto de 2010 | 23h06

O governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, anunciou nesta quarta-feira o envio de 224 homens da Guarda Nacional para a fronteira do Estado com o México, com o objetivo de reforçar a segurança na região.

Os soldados fazem parte do contingente de 1,2 mil homens extras da Guarda Nacional americana que deverão ser enviados para auxiliar o trabalho de agentes que atuam na fronteira de quatro Estados com o México.

As tropas devem começar a atuar em setembro, com o objetivo de coibir o fluxo de imigrantes ilegais e o tráfico de drogas e armas na fronteira.

"Hoje, a nossa Guarda Nacional foi chamada a garantir a segurança na fronteira e a proteger a segurança do povo americano, e eu estou orgulhoso por sermos o primeiro Estado a ter nossas tropas treinadas e operacionais para essa missão", disse Schwarzenegger.

Solução definitiva

O governador afirmou, porém, que é preciso encontrar uma solução definitiva para o problema da imigração nos Estados Unidos.

"Esses homens e mulheres vão fornecer a tão necessária ajuda para proteger a nossa fronteira, mas é importante lembrar que isso é apenas o começo. Nós devemos encontrar uma solução permanente para o nosso sistema de imigração falido", disse Schwarzenegger, ecoando uma afirmação já feita diversas vezes pelo próprio presidente Barack Obama.

O destino dos mais de 11 milhões de imigrantes ilegais nos Estados Unidos é um dos principais problemas enfrentados pelo governo americano e vem ganhando maior destaque às vésperas das eleições legislativas de novembro.

Também crescem nos Estados Unidos os temores de que gangues ligadas ao tráfico de drogas no México estejam cada vez mais atuantes no lado americano da fronteira.

Na semana passada, Obama sancionou uma lei que autoriza a liberação de US$ 600 milhões (cerca de R$ 1,06 bilhão) para reforçar a segurança na fronteira com o México.

Os recursos serão destinados à contratação de mil agentes para patrulhar a fronteira e para atuar nos setores de imigração e alfândega e à compra de equipamentos de comunicação e vigilância, incluindo aviões não tripulados.

Estados

Muitos Estados se dizem decepcionados com a atuação do governo federal em relação à imigração ilegal e à segurança na fronteira e decidiram agir por conta própria.

Em abril, o Arizona anunciou uma polêmica lei que, entre outros pontos, torna crime estadual a presença de imigrantes ilegais. A lei foi contestada e acabou entrando em vigor sem as partes mais polêmicas, bloqueadas pela Justiça até que se decida sobre sua constitucionalidade.

No entanto, outros Estados parecem decididos a tomar o mesmo rumo. Na semana passada, foi a vez da Flórida anunciar que avalia a adoção de uma lei "ainda mais dura" que a do Arizona.

A reforma do sistema de imigração americano era uma promessa de campanha de Obama, mas, com a resistência da oposição republicana no Congresso, poucos acreditam que possa ser votada ainda neste ano.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.