EUA inocentam soldados que mataram cinegrafista no Iraque

Os soldados americanos agiram "dentro das normas" quando atiraram e mataram um cinegrafista da Reuters Television em 17 de agosto, enquanto o profissional gravava imagens em uma área próxima a uma prisão administrada pelos EUA nos arredores de Bagdá, informou o tenente-coronel George Krivo, porta-voz do Exército americano.Mazen Dana, de 41 anos, realizava seu trabalho do lado de fora da penitenciária de Abu Ghraib, no oeste da capital iraquiana, quando foi morto a tiros por soldados americanos que, segundo os militares, confundiram sua câmara com um lançador de granadas. Dana, um palestino, estava filmando um dia depois de seis prisioneiros terem sido mortos e cerca de outros 60 ficarem feridos no local.Segundo Krivo, uma investigação oficial concluiu que, "embora o incidente seja lamentável", os soldados "agiram dentro das normas". O Exército dos EUA nunca divulga tais normas, alegando segurança das tropas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.