EUA intensificam caçada a Bin Laden

Com a tomada de Cabul e a ofensiva da Aliança do Norte no sul do Afeganistão, os EUA estão intensificando os esforços para caçar o terrorista saudita Osama bin Laden e outros líderes da organização Al-Qaeda, liderada por ele. Os aviões americanos concentram-se agora nas cavernas que podem estar sendo usadas como esconderijos e há planos de enviar mais forças especiais para ampliar o cerco. Durante visita hoje aos destroços do World Trade Center, em Nova York, o secretário de Defesa (Pentágono), Donald Rumsfeld, afirmou que as forças especiais americanas estão bloqueando as principais estradas que conectam o norte e o sul do país "e parando as pessoas que acham que devem ser paradas." Ele admitiu que por enquanto nenhum líder taleban ou da Al-Qaeda foi localizado. Os EUA mantêm mais de cem soldados dessas unidades em território afegão, atuando com a Aliança do Norte. Altos funcionários do Pentágono disseram que a rápida mudança no quadro militar no Afeganistão levou o general Tommy Franks, comandante das forças americanas na guerra, a preparar novo plano para caçar e eliminar Bin Laden e aliados. Os chefes da Inteligência norte-americana acreditam que Bin Laden, seus principais assessores e o líder espiritual do Taleban, o mulá Mohamed Omar, ainda estejam na região sob controle da milícia no sul. Falando sob condição de manter o anonimato, um alto funcionário do Pentágono disse à Associated Press que as autoridades acham que eles estão em movimento na região, mas separados, e não crêem que Bin Laden tente deixar o país porque isso poderia facilitar sua captura. Mas, se tentar sair de lá, especialistas dizem que uma opção seria ele ir para a república separatista russa da Chechênia. Outros disseram que Bin Laden poderia seguir para a Somália, Sudão, Iraque, Indonésia ou até mesmo o vizinho Paquistão, onde em muitas áreas é idolatrado. Houve relatos recentes de que ele foi visto em vários pontos do país. Entrevista - O jornalista paquistanês Hamid Mir, o último a entrevistá-lo, na semana passada, disse ter sido levado todo coberto a um lugar montanhoso a cinco horas de distância de carro, provavelmente no norte, na região de Jalalabad, onde a Al-Qaeda tem um complexo de campos de treinamento. Mas as forças americanas e britânicas também suspeitam que ele esteja em bases ao sul ou ao norte de Kandahar. Na região montanhosa dessa área há túneis, cavernas e bunkers capazes de abrigar centenas de pessoas. Outra possibilidade é que ele esteja na área de Khost, na Província de Paktia - essa região, no sudeste, foi tomada hoje pela Aliança do Norte, segundo a agência afegã AIP. Geólogos dizem que as rochas do local em que ele aparecia nos vídeos exibidos pela TV Al-Jazzera são típicas de Paktia, onde também há vários bunkers. As conquistas da coalizão aliança deixaram o Taleban cercado e certamente vão proporcionar aos EUA informações preciosas sobre Bin Laden. As forças especiais estão tomando disquetes, mapas, documentos e outro material deixado para trás pelas forças talebans e seus aliados em fuga. Eles pretendem entrevistar chefes e membros da milícia capturados e buscar uma aproximação com líderes tribais pashtuns. Como há um resgate total de US$ 25 milhões pela captura do saudita, a possibilidade de ele ser traído é extremamente alta. As deserções nas fileiras talebans são generalizadas e há muitos afegãos que se ressentem da presença de árabes em seu território. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.