EUA interceptam avião com arsenal de armas e prendem dois venezuelanos

Agentes apreenderam 18 fuzis, seis espingardas, 58 pistolas semiautomáticas, US$ 20.312 em dinheiro e 2.618,53 em cheques endossados

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2020 | 22h30

MIAMI - Um avião suspeito saindo do sul da Flórida com armas a bordo e milhares de dólares em dinheiro foi interceptado no último sábado, 15, e dois venezuelanos foram presos, anunciaram autoridades dos Estados Unidos na terça-feira, 18.

Agentes da Unidade Marinha de Fort Lauderdale, ao norte de Miami, foram alertados sobre o movimento de uma aeronave Learjet relacionada a uma investigação em andamento, informou um comunicado da Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP).

Oficiais de várias agências responderam para parar o avião, que se dirigia para a ilha caribenha de St. Vincent. 

Eles prenderam dois venezuelanos, que não tiveram suas identidades divulgadas, e apreenderam 18 fuzis, seis espingardas, 58 pistolas semiautomáticas, 20.312 dólares em dinheiro e 2.618,53 em cheques endossados, disse o comunicado.

Em Caracas, o deputado venezuelano Carlos Paparoni, do partido oposicionista Primero Justicia, garantiu que o avião está ligado a Alex Saab, empresário colombiano acusado de corrupção ligada a um programa alimentar do presidente Nicolás Maduro e atualmente detido em Cabo Verde. 

A aeronave "pertence a uma empresa Roswell Rosales, piloto de Álvaro Pulido Vargas, sócio do líder de Maduro, Alex Saab", escreveu Paparoni no Twitter. 

Em um segundo tuíte, ele acrescentou que um de seus passageiros frequentes é "Carlos Rolando Lizcano, uma peça-chave das estruturas criminosas de Alex Saab". 

"O mundo fica pequeno para eles, sua estrutura criminosa está nua", disse o deputado. 

Em 5 de agosto, um tribunal cabo-verdiano autorizou a extradição para os Estados Unidos de Saab, acusado em Miami de lavagem de dinheiro e detido durante uma escala técnica em seu avião em Cabo Verde, em meados de junho. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.