EUA investigam ligações entre ex-detentos e voo 253

Funcionários dos Estados Unidos estão investigando possíveis ligações entre o ataque fracassado contra um avião americano no Natal (o voo 253) e ex-detentos da prisão da base naval de Guantánamo. Acredita-se que os ex-detentos em questão sejam líderes de um grupo ligado à rede terrorista Al-Qaeda no Iêmen, informa o ''Wall Street Journal''.

AE, Agencia Estado

29 de dezembro de 2009 | 19h37

Documentos do Departamento de Defesa dos EUA liberados no começo deste ano mostram que Said Ali Al-Shihri e Mohammed Al-Awfi, libertados de Guantánamo em 2007, podem agora ser líderes da Al-Qaeda na Península Arábica, o grupo iemenita que ontem assumiu a responsabilidade para tentativa de explodir o voo 253 da Northwest Airlines, que viajou de Amsterdã a Detroit.

O nigeriano de 23 anos Umar Faourk Abdulmutallab, acusado de tentar derrubar o avião em 25 de dezembro, disse aos investigadores que ele recebeu o explosivo de integrantes da Al-Qaeda no Iêmen. Investigadores ainda tentam verificar a declaração, embora agentes tenham dito que operam sob a assertiva de que a declaração do nigeriano é verdadeira.

As possíveis ligações entre ex-detentos de Guantánamo e a tentativa de derrubar o avião intensificaram as críticas ao esforço da administração Obama de fechar a prisão na base de Guantánamo, em Cuba. Shihri e Awfi foram soltos em 2007 na Arábia Saudita, o país natal dos dois, como parte um projeto do governo da Arábia para erradicar o extremismo, mas desapareceram rapidamente após cumprir o programa. Agora acredita-se que Shihri seja um vice-líder da Al-Qaeda na Península Arábica no Iêmen. Awfi reapareceu em janeiro num videoclipe da Al-Qaeda, no qual vestia um cinturão de balas e era apresentado como um comandante de campo da organização terrorista, de acordo com a Associated Press.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.