EFE
EFE

EUA investigarão China por suposto desrespeito à propriedade intelectual 

Medidas anunciadas por Trump foram menos agressivas que o esperado, o que afasta ao menos temporariamente o risco de uma guerra comercial, segundo analista

Cláudia Trevisan, Correspondente /Washington, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2017 | 19h58

Na tentativa de pressionar Pequim a adotar uma postura mais agressiva em relação à Coreia do Norte, o governo Donald Trump anunciou nesta segunda-feira, 14, a abertura de investigação sobre práticas comerciais da China, entre as quais a transferência forçada de tecnologia por empresas americanas com investimentos no país e o desrespeito à propriedade intelectual.

Editorial publicado no jornal estatal China Daily disse que a “politização” do comércio bilateral pode “envenenar” toda a relação entre as duas nações. O governo de Pequim também alertou para o risco de uma guerra comercial e suas consequências potencialmente desastrosas.

Mas as medidas anunciadas por Trump foram menos agressivas que o esperado, o que afasta ao menos temporariamente o risco de uma guerra comercial, avaliou Evan Medeiros, especialista em Ásia da consultoria Eurasia. 

“Essa decisão sinaliza que a Casa Branca está priorizando a Coreia do Norte sobre o comércio ao lidar com a China”, escreveu o analista em nota a clientes. Segundo ele, a investigação tomará no mínimo seis meses para ser concluída. Além disso, Trump aceitou na sexta-feira convite do presidente Xi Jinping para visitar a China ainda neste ano.

Pequim anunciou hoje a suspensão das importações de minério de ferro, ferro, chumbo e carvão da Coreia do Norte. A medida representa a implementação de sanções contra Pyongyang aprovadas pelo Conselho de Segurança Nacional da Organização das Nações Unidas (ONU) na semana passada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.