EUA irão investigar uso de bombas de fragmentação por Israel

O Departamento de Estado dos EUA afirmou nesta sexta-feira que está investigando denúncias de que Israel teria utilizado irregularmente bombas em cacho (de fragmentação) americanas em ataques a áreas civis.No decorrer da semana, a chancelaria americana informou que abriu um inquérito para apurar se o uso de bombas em cacho no Líbano - bombas antipessoas que espalham bombas menores chamadas "bomblets" numa área mais ampla - violou algum acordo secreto de armas entre os Estados Unidos e Israel."Estamos investigando denúncias e veremos onde elas darão", comentou Gonzalo Gallegos, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, nesta sexta-feira.Grupos de defesa dos direitos humanos criticam Israel por utilizar esse tipo de armamento, que espalha centenas de pequenas bombas em uma vasta área.O Exército israelense declarou que todas as armas que usa "são legais nos termos da lei internacional e seu uso está em acordo com as normas internacionais."As bombas de cacho são usadas tipicamente contra tanques e explodem quando se chocam contra o aço. Durante a recente guerra do Líbano, os projéteis foram disparados em áreas urbanas e rurais onde Israel achava que guerrilheiros do Hezbollah poderiam estar se escondendo. Muitas caíram na terra ou em calçamentos e não explodiram.Israel diz que foi obrigado a atingir alvos civis no Líbano porque os combatentes do Hezbollah usam aldeias como bases para lançar foguetes contra Israel. Pelo menos 850 libaneses e 157 israelenses morreram no combate.A administração Bush pediu repetidas vezes para Israel evitar baixas civis durante a guerra mas se absteve de fazer críticas diretas à tática israelense.Um porta-voz da Embaixada israelense em Washington disse que o Departamento de Estado não havia notificado de qualquer investigação pendente. "Não fomos informados, e quando formos informados cuidaremos disso", disse o porta-voz David Siegel.Uma investigação do Congresso americano revelou que Israel usou bombas de cacho de fabricação americana de maneira indevida durante sua invasão do Líbano de 1982. Naquela ocasião, a administração Reagan impôs uma proibição à venda de armas para Israel por seis anos.ONUAinda nesta sexta-feira, a ONU denunciou que bombas não detonadas têm sido encontradas em grande número em casas, jardins, quintais e ruas por todo o sul do Líbano. Ainda segundo a ONU, a detonação desses explosivos após o fim do conflito matou ao menos oito libaneses, incluindo duas crianças, e feriu outros 38."Havia cerca de 285 locais onde foram encontradas bombas em cacho no sul do Líbano. Nossas equipes continuam trabalhando e novos artefatos são encontrados diariamente", disse Dalya Farran, porta-voz do Centro de Coordenação de Erradicação de Minas da ONU, estabelecido na cidade portuária libanesa de Tiro. "Temos encontrado cerca de 30 novos locais com bombas de fragmentação não detonadas por dia", disse ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.