EUA julgarão cubanos que chegaram a nado à Flórida

Os três cubanos que conseguiram burlar a vigilância da guarda costeira americana e chegar a nado à costa dos EUA após abandonarem o barco em que cruzaram o estreito da Flórida serão julgados por ameaçar as autoridades com machetes e foices, informou a Promotoria federal. A guarda costeira em Miami disse que os três serão considerados criminosos, apesar da publicidade que cercou a proeza dos três imigrantes, que foi transmitida ao vivo por vários canais de televisão. Exaustos, os "balseros" ergueram os braços em expressão de triunfo ao chegarem na terça-feira ao norte de Miami, confiantes que seriam amparados pela lei dos "pés secos", que concede direito de residência em território americano aos cubanos que pisarem este solo. Os que são interceptados no mar pelas autoridades são devolvidos a Cuba. Segundo a Promotoria federal, os três nadadores evitaram contato com os guardas costeiros que tentaram resgatá-los no mar, ameaçando-os com armas brancas para impedir que se aproximassem. Este fato os coloca em uma situação em que, após o julgamento, podem ser devolvidos a Cuba com base nas leis que punem os crimes cometidos por estrangeiros nos EUA. Um quarto "balsero" que vinha junto com eles se encontra retido a bordo de uma lancha americana. Alegando razões humanitárias, o Panamá ofereceu asilo político a esse cubano. Tal petição coloca um dilema para as autoridades americanas, que mantêm um acordo de devolver a Cuba os imigrantes ilegais interceptados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.