EUA lançam superbomba contra Bin Laden

A superbomba BLU-82, conhecida como Daisy Cutter ou "corta-margaridas", a mais poderosa arma convencional (não-nuclear) do arsenal americano, foi lançada no domingo à noite no complexo de cavernas de Tora Bora, no leste do Afeganistão, para atingir o terrorista saudita Osama bin Laden e seus colaboradores mais próximos, confirmou hoje, em Washington, o porta-voz do Pentágono, John Stufflebeem."A bomba foi lançada porque, naquele momento, tínhamos razão para presumir que dirigentes da Al-Qaeda estivessem ali. Era esperado que lá estivesse também o próprio Bin Laden", disse.Segundo ele, o Pentágono ainda não tem como avaliar o resultado do impacto da bomba, capaz de destruir toda forma de vida e instalações num raio de 500 metros a partir do ponto de impacto. Na região, forças afegãs anti-Taleban, apoiadas por ataques aéreos americanos, caçam os membros da Al-Qaeda.As tropas afegãs anunciaram hoje que já controlam todos os pontos estratégicos do complexo de Tora Bora e das montanhas vizinhas Maleewa. Segundo um comandante dessas tropas, os mujahedin afegãos começaram a entrar hoje nas cavernas e túneis do complexo, mas, ao contrário dos americanos, têm poucas esperanças de encontrar Bin Laden em seu interior."É mais provável que ele esteja próximo da fronteira com o Paquistão", declarou o diretor do serviço secreto da Aliança do Norte, Nematula Yalili. "Alguns de seus parentes já conseguiram entrar em território paquistanês."Ao mesmo tempo, fuzileiros navais americanos, baseados num quartel do sul do Afeganistão, instalaram postos avançados nas principais vias de acesso dos arredores de Kandahar, último reduto do Taleban, abandonado pela milícia fundamentalista islâmica na sexta-feira. O cerco à cidade, ocupada por tropas anti-Taleban, visa a impedir a fuga de membros da Al-Qaeda.Cerca de 1.200 marines estavam acampados numa base aérea a 110 quilômetros de Kandahar. Agora, boa parte deles está a apenas 20 quilômetros do ex-reduto taleban. "Reforçamos nossas unidades de incursão e deslocamos nossas tropas até as proximidades de Kandahar", declarou um porta-voz americano, David Romley, esclarecendo que os soldados não devem entrar na cidade.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.