EUA lembram o 11 de setembro em estado de alerta

O governo americano pôs o país hoje em estado de alerta laranja - o segundo mais grave, que indica "alto risco de ataques terroristas" - por ter recebido do setor de inteligência evidências dignas de crédito sobre um possível atentado suicida contra interesses dos EUA, mais provavelmente no exterior, anunciou o secretário da Justiça, John Ashcroft.Centenas de cerimônias em todo o país e no exterior recordarãoos mais de 3 mil mortos nos atentados terroristas de 11 desetembro contra o World Trade Center (WTC), o Pentágono e naPensilvânia.No horário em que o primeiro avião se chocou contra o WTC, às8h46 (9h46 de Brasília) haverá um minuto de silêncio em todo opaís.Hoje, as medidas de segurança foram reforçadas nas basesmilitares e embaixadas americanas e em vários países ondeinteresses dos EUA poderiam se tornar alvos de militantes darede terrorista Al-Qaeda. O secretário da Defesa (Pentágono),Donald Rumfeld, ordenou o posicionamento de mísseis ao redor deWashington para a defesa da cidade em caso de ataque. Nas ruasde Washington, porém, o clima hoje era de tranqüilidade e nãohavia um aparato de segurança ostensivo. As forças do país em Bahrein foram postas em alerta máximo e aMarinha advertiu para a possibilidade de a Al-Qaeda atacarpetroleiros no Golfo Pérsico e no Chifre da África. Seisembaixadas americanas foram fechadas temporariamente na Ásia: asda Malásia, Indonésia, Paquistão, Vietnã, Camboja e Bahrein,segundo a TV CNN. Na Europa, as autoridades reforçaram as medidas de segurançaprincipalmente nos aeroportos e em representações dos EUA. Apreocupação é grande na Alemanha, país onde membros da Al-Qaedaplanejaram os atentados de 11 de setembro, conforme revelaminvestigações de agentes de segurança americanos e alemães. Alémdisso, nos últimos dias a conselheira de Segurança Nacional dosEUA, Condoleezza Rice, advertiu que os próximos objetivos depossíveis atentados poderiam ser capitais européias como Londrese Berlim. O governo de Israel decidiu reforçar a segurança em seu espaçoaéreo e anunciou a introdução de novas tecnologias nosaeroportos no prazo de um ano. A Turquia está em alerta, temendoa possibilidade de militantes islâmicos usarem gás venenoso emataques a alvos britânicos, americanos ou israelenses. "Estamos muito preocupados sobre uma ampla gama de atividadesterroristas", disse Ashcroft, destacando que as informações quelevaram ao alerta foram coletadas nas últimas 24 horas. Opresidente George W. Bush afirmou que está "levando muito asério" as ameaças e elas se parecem com as emitidas antes dosatentados de 11 de setembro. Pesquisa divulgada hoje pela Universidade de Michigan revelaque nove em cada dez americanos temem iminentes ataquesterroristas por ocasião do aniversário. Segundo Ashcroft, os alvos prováveis incluem interessescorporativos americanos nos setores de energia e transporte,embaixadas e instalações militares. "O setor de inteligênciados EUA também recebeu informação de que um ou mais indivíduosno Oriente Médio estão preparando um ataque suicida ou ataquescontra interesses dos EUA. Neste momento, não temos informaçõesespecíficas sobre onde esses ataques poderiam ocorrer." Ashcroft comentou que as informações foram recolhidas entre"elementos da Al-Qaeda". Por isso, na segunda-feira à noite, oDepartamento de Estado emitiu um alerta para os americanos emtodo o mundo e pôs suas unidades de sobreaviso. Também na segunda-feira, a TV árabe por satélite Al-Jazira,com sede em Catar, divulgou uma suposta mensagem (apenas a voz)do líder da Al-Qaeda, o saudita Osama bin Laden, na qual elehomenageava os 19 seqüestradores dos quatro aviões usados nosatentados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.