EUA levam religião mais a sério que outros países ricos

A religião é muito mais importante para os americanos do que para a população de outros países ricos, de acordo com os resultados de uma pesquisa, divulgada nesta quinta-feira, que mostra que os EUA são mais sensíveis aos assuntos espirituais do que outras nações desenvolvidas. Nos EUA, 59% dos entrevistados disseram que a religião é "muito importante" em suas vidas. Essa porcentagem é muito mais alta do que a apurada em outros países industrializados, incluindo a Grã-Bretanha (33%), Canadá (30%), Itália (27%), Coréia do Sul (25%), Alemanha (21%), Japão (12%) e França (11%). A pesquisa foi promovida pelo Pew Research Center for the People and the Press, que anteriormente tinha levantado dados comparativos sobre atitudes políticas em 44 países. Andrew Kohut, o diretor do Centro, disse que uma sondagem semelhante promovida pela Gallup sobre padrões religiosos havia chegado a resultado semelhante. Kohut disse que deixaria a cargo dos historiadores e sociólogos explicar por que os EUA são diferentes, mas destacou o impacto político desses resultados. "Isto é o que somos, o que temos sido sempre", afirmou. O sentimento religioso nos EUA supera em porcentagem o encontrado nas 10 nações africanas pesquisadas, em seis latino-americanas e seis na Ásia (incluindo a Turquia, que fica, em parte, na Europa). Senegal é o pais mais religioso (97%), enquanto a França e a República Checa são os que menos atribuem peso à religião.

Agencia Estado,

19 Dezembro 2002 | 19h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.