EUA liberam ajuda ao Egito suspensa após golpe

Em viagem ao Egito, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, revelou ontem que o governo americano vai liberar US$ 575 milhões em ajuda militar ao país árabe que estavam congelados desde a deposição do presidente islamista Mohamed Morsi, em julho, de acordo com reportagem do site da emissora estatal britânica BBC.

CAIRO, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2014 | 02h05

"Queremos contribuir para o sucesso do Egito", disse Kerry no Cairo, após encontro com o presidente Adbel-Fattah al-Sissi, que liderou o golpe que destituiu Morsi.

Funcionários do Departamento de Estado dos EUA disseram que a ajuda militar foi liberada às autoridades no Cairo há dez dias, depois de obtida a autorização do Congresso. Os fundos - provenientes de uma verba de US$ 1,5 bilhão destinada a ajuda militar ao Egito - deverá ser destinada para pagar contratos de defesa.

Os EUA também prometeram fornecer dez helicópteros Apache para o combate contra militantes na Península do Sinai. "Os Apaches virão - e virão muito, muito rápido", disse Kerry.

Sissi venceu as eleições presidenciais, em maio, prometendo, entre outras coisas, derrubar o terrorismo e trazer segurança ao Egito.

Após liderar o golpe contra Morsi, em meio a protestos contra o islamista, Sissi tem buscado impor medidas duras contra a Irmandade Muçulmana, que forma a base de apoio ao presidente deposto e fez campanha para boicotar as últimas eleições. Recentemente, líderes do movimento islâmico tiveram condenações à morte confirmadas pela Justiça egípcia. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.