EUA liberam milhões em ajuda ao Egito

O secretário americano de Estado, John Kerry, premiou ontem o Egito com a liberação de uma ajuda de US$ 250 milhões após o presidente egípcio, Mohamed Morsi, prometer realizar reformas políticas e econômicas. Mas Kerry também destacou que o governo Barack Obama acompanhará de perto se Morsi, que chegou ao poder em junho nas primeiras eleições livres do país, honrará seu compromisso.

CAIRO, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2013 | 02h10

"O caminho para o futuro é claramente difícil e ainda há muito trabalho a fazer", declarou Kerry ao encerrar dois dias de reuniões no Egito, um país profundamente dividido após a revolução que levou à queda do presidente Hosni Mubarak, em fevereiro de 2011.

O Egito está tentando atender às exigências para obter a liberação de um pacote de empréstimo de US$ 4,8 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI). Um acordo poderia levar ao desbloqueio de mais de US$ 1 bilhão de ajuda dos Estados Unidos prometida pelo presidente Obama no ano passado. O anúncio de Kerry indica que essa ajuda começará a ser liberada.

"Os EUA podem e querem fazer mais", disse Kerry. "Alcançar um acordo com o FMI exigirá mais esforços por parte do governo do Egito e amplo apoio de todos os egípcios. Quando o Egito der os difíceis passos para fortalecer sua economia e obter uma unidade política e justiça, trabalharemos com nosso Congresso para obter um apoio adicional", disse Kerry. Ele citou as extremas necessidades do Egito e as garantias de Morsi de que pretende completar o processo do FMI quando ele disse ao presidente egípcio que os EUA poderiam fornecer US$ 190 milhões de um empréstimo a longo prazo de US$ 250 milhões "em um esforço para ajudar o povo egípcio em uma hora de dificuldade".

As reservas de divisas estrangeiras no Egito caíram a um nível crítico e a libra egípcia perdeu em torno de 8% em relação ao dólar.

Separadamente, o secretário anunciou a liberação de US$ 60 milhões para a criação de um fundo para apoiar uma "mudança democrática", que ajudará empresários do Egito e sua juventude. Kerry indicou que essa assistência dos EUA para o fundo poderá chegar a US$ 300 milhões durante o ano. O Egito realiza em 22 de abril novas eleições legislativas e vários partidos prometeram boicotar a votação.

Protesto. Centenas de torcedores radicais do time de futebol do Cairo Al- Ahly bloquearam ontem a principal avenida que leva ao aeroporto em protesto pela visita de Kerry. Eles puseram fogo em pneus, levando muitos passageiros a perder seus voos. Kerry e sua delegação seguiram para a Arábia Saudita, o próximo país a ser visitado pelo secretário de Estado em meio ao seu primeiro tour ao exterior no cargo. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.