EUA libertam 500 prisioneiros no Iraque

As Forças Armadas americanas libertaram neste domingo 500 prisioneiros, inocentados da suspeita de manter laços com a revolta armada, incluindo dois jornalistas. Os suspeitos estavam detidos há meses. Majed Hamid, um repórter iraquiano que trabalhava para a rede de TV Al-Arabiya e para a agência britânica Reuters, foi solto depois de passar quatro meses sob custódia americana, disse o general Mark Kimmitt. Ali al-Mashhadani, que atuava como fotógrafo e cinegrafista para a Reuters, também foi solto na libertação em massa de 500 prisioneiros. Ele estava detido desde agosto.Em visita a Dubai, o general Kimmitt foi recebido por manifestantes carregando placas com críticas à prisão de Hamid e de outros jornalistas. O militar disse que Hamid era suspeito de representar uma ameaça e foi detido até ser inocentado. O Comitê para Proteção de Jornalistas, grupo com sede em Nova York, informa que o jornalista foi preso em setembro num refúgio de rebeldes na província de Anbar, e que o cinegrafista al-Mashhadani havia sido capturado quando sua casa foi invadida por fuzileiros navais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.