EUA: Louisiana declara estado de emergência

Governador de Louisiana, Bobby Jindal, declarou que a depressão tropical pode causar chuvas intensas e inundações em várias regiões do Estado

Agência Estado

02 Setembro 2011 | 02h58

O Estado de Louisiana, nos Estados Unidos, declarou estado de emergência na quinta-feira, 1, diante do alerta dos meteorologistas sobre a possibilidade de regiões do Estado serem atingidas pela 13ª depressão tropical da temporada de furacões do Oceano Atlântico, que se dirige para a costa norte do Golfo do México. Ela pode atingir desde a cidade de Pascagoula ao oeste do Mississippi, e da passagem de Sabine, no Texas, até a Louisiana, incluindo Nova Orleans, informou o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC, na sigla em inglês). A costa Oeste ainda mantém viva na memória as tragédias causadas pelo furacão Katrina, em 2005. O governador de Louisiana, Bobby Jindal, declarou estado de emergência, dizendo que a depressão tropical pode causar "chuvas intensas e inundações em várias regiões do Estado".

"Nós sabemos por experiências anteriores que é melhor nos preparar para o pior e esperarmos o melhor, uma vez que já estamos no auge da temporada de furacões", disse Jindal. A depressão tropical encontrava-se nesta madrugada, 2, no horário de Brasília, a 225 quilômetros ao sul da foz do rio Mississippi, e movendo-se para o norte. Segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA, está previsto seu fortalecimento nas próximas 48 horas, o que poderia transformá-la em uma tempestade tropical já nesta sexta-feira. Segundo o órgão, a depressão deve mover-se vagarosamente durante os próximos cinco dias, prolongando o período de tempestades tropicais e chuvas fortes em regiões ao norte da Costa do Golfo do México. Sobre a tempestade Katia, o NHC informou que ela mantém ventos máximos sustentados de 110 km/h, e deve ganhar intensidade hoje. Entretanto, o Katia não representa perigo para regiões povoadas, pois se desloca sobre as águas do Atlântico. As informações são da Dow Jones.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.