EUA mandam boicotar a França na reconstrução do Iraque

A construtora Bechtel, ganhadora do maior contrato para a reconstrução do Iraque, recebeu a ordem de favorecer, na subcontratação de obras e serviços, empresas dos países aliados, deixando de lado as francesas, informa The Wall Street Journal. Autoridades americanas disseram, sob anonimato, terem pedido que a França fosse descartada, porque o país foi um dos mais fortes opositores à guerra. "Não recebemos instruções como essa", respondeu o responsável pelas operações da Bechtel no Kuwait, Terry Valenzano.O Journal destacou a dificuldade de não incluir companhias da França, Rússia e Alemanha (também contrários à invasão do Iraque) na reconstrução, pois esses países ergueram boa parte das centrais elétricas, represas e outras obras de infra-estrutura iraquianas.A Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (Usaid) outorgou à Bechtel, em abril, um contrato estimado em US$ 680 milhões. A construtora é uma das mais importantes doadoras de recursos para os partidos políticos americanos, e teve entre seus principais executivos vários republicanos de renome.Hoje, alguns congressistas pressionaram para que o governo explique por que agências federais - a Usaid e a Corporação de Engenheiros do Exército - outorgaram, sem licitação pública, contratos para a reconstrução do Iraque. Resoluções em tramitação no Congresso vão requerer a publicação de justificativas. A Usaid convidou só algumas empresas e deu o maior contrato à Bechtel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.