EUA mandam enviado à cidade sede dos rebeldes líbios

Em comunicado, Departamento de Estado pede que Kadafi deixe o poder e a Líbia

Agência Estado

23 de maio de 2011 | 11h36

BENGHAZI - O governante líbio, Muamar Kadafi, "deve deixar o poder e a Líbia", afirma um comunicado dos Estados Unidos divulgado nesta segunda-feira, 23,. Washington mandou uma importante autoridade para conversas na principal cidade controlada pelos rebeldes líbios, Benghazi.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

O secretário-assistente de Estado Jeffrey Feltman chegou à Líbia ontem. Ele se reuniu com lideranças do Conselho Nacional de Transição (CNT), entre eles o líder do grupo, Mustafa Abdul Jalil. Um comunicado notou que a visita de Feltman é um sinal de apoio dos EUA ao conselho como um legítimo e crível interlocutor do povo líbio.

"Os Estados Unidos permanecem comprometidos com a proteção dos civis líbios e acreditam que Kadafi deve deixar o poder e a Líbia. O povo líbio, como todos os povos, tem o direito de determinar seu próprio futuro e os EUA continuarão a apoiá-los e também o trabalho do CNT nesse esforço", afirma o comunicado.

O Reino Unido, a França, Gâmbia, a Itália e o Catar já reconheceram o conselho dos rebeldes como seu único interlocutor na Líbia. Ontem, a chefe da política externa da União Europeia, Catherine Ashton, esteve em Benghazi para a abertura de um escritório da UE na cidade. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataquesEUAenviadoBenghazi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.