EUA manterão ajuda financeira à ANP, apesar do Hamas

O subsecretário de Estado dos EUA para o Oriente Médio, David Welch, garantiu neste sábado ao presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, que Washington não interromperá a ajuda humanitária ao país mesmo após a formação do Governo liderado pelo Hamas. O emissário americano se reuniu com Abbas na cidade de Ramala para analisar a situação política após a vitória do Hamas nas eleições legislativas realizadas em janeiro e o panorama atual do conflito entre israelenses e palestinos.Na primeira visita de um alto funcionário do Governo Bush, Welch garantiu a Abbas que os EUA continuarão apoiando seu trabalho e sua gestão política. Welch também elogiou o discurso inaugural do segundo Conselho Legislativo Palestino (Parlamento), cujos deputados tomaram posse há uma semana. Na ocasião, Abbas reafirmou sua liderança ao dizer que o futuro Parlamento e Governo palestinos devem respeitar os acordos ratificados entre palestinos e israelenses (em particular os acordos de Oslo), o que foi interpretado como uma advertência ao Hamas, que não reconhece nem os acordos, nem o Estado de Israel."Os Estados Unidos sempre apoiaram o povo palestino mediante contribuições substanciais procedentes dos fundos de assistência internacionais... Seguimos conscientes das necessidades humanitárias do povo palestino e (nossa ajuda) continuará", manifestou Welch. Welch acrescentou: "Temos a convicção que é importante para a população dos territórios palestinos poder desfrutar de uma vida tranqüila e segura e com bem-estar econômico".O chefe dos negociadores da ANP, Saeb Erekat, por sua vez, disse que o presidente palestino expressou ao subsecretário de Estado que os EUA devem respeitar o resultado das eleições palestinas. Erekat destacou que os milhões de dólares de ajuda dos EUA são destinados a projetos de infra-estrutura a cada ano e não ao Governo palestino, que dentro de cinco semanas estará sob controle do Hamas. "Exortamos a Administração dos EUA a continuar ajudando o povo palestino, tal como tem feito anteriormente", afirmou Erekat após uma reunião nesta manhã com Welch. "Nunca transferiram nem um só dólar diretamente à ANP. O dinheiro sempre foi transferido através de organizações não-governamentais", ressaltou.Tanto os EUA quanto a União Européia incluem o Hamas na lista negra de organizações terroristas e insistiram que não financiarão um Governo integrado por membros do movimento. Durante sua visita à região, Welch não se reunirá com nenhum membro do Hamas, que conta com 74 das 132 cadeiras do Parlamento palestino. Welch se reunirá domingo com o primeiro-ministro interino de Israel, Ehud Olmert; a ministra de Assuntos Exteriores, Tzipi Livni, e o ministro da Defesa, Shaul Mofaz.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, advertiu na sexta-feira que a comunidade internacional deve deixar claro que financiará o Governo do Hamas se o movimento não se desvincular das atividades terroristas e reconhecer o Estado de Israel. O alerta de Bush coincide com o retorno da secretária de Estado, Condoleezza Rice a Washington, depois do relativo fracasso da viagem que fez pelo Oriente Médio com o objetivo de convencer países árabes a cortarem ajuda econômica aos palestinos.Os EUA, principal aliado de Israel, pediram recentemente à ANP que devolva 50 milhões de dólares de ajuda, para assegurar-se que não cheguem a mãos do Hamas, pedido aceito a princípio pelo Executivo palestino. A ANP necessita de 90 milhões de dólares mensais apenas para o pagamento de seus funcionários.No domingo passado, autoridades israelenses decidiram cessar a transferência dos fundos que Israel recolhe como agente de arrecadação de impostos da ANP, o que representa a perda de cerca de 42 milhões de dólares mensais, receita fundamental para custear despesas básicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.