EUA mobilizam sua máquina de guerra

Ante o que estão considerando uma "manobra do Taleban para ganhar tempo", os EUA intensificaram nesta quarta-feira os movimentos de sua máquina de guerra com a ordem para que pelo menos cem aviões de combate se dirijam a "postos vançados" no Golfo Pérsico.Ao mesmo tempo, o maior porta-aviões do mundo, o Theodore Roosevelt, zarpava nesta quarta-feira do porto de Norfolk, na Virgínia. O poderoso porta-aviões era seguido por 14 barcos lança-mísseis, submarinos de ataque e unidades de desembarque capazes de transportar até 2 mil homens."Há movimentos (de tropas) e veremos outros", disse o subsecretário de Defesa Paul Wolfowitz. "Espero que todos compreendam, incluindo o povo americano, por que não estamos revelando os detalhes desses movimentos nesse momento", acrescentou."O melhor meio que os terroristas têm para informar-se de nossos passos são nossos próprios jornais e noticiários de TV", declarou, sob a condição de não ter seu nome publicado, uma fonte do Pentágono. "Dessa vez, eles não terão nossa ajuda."Segundo a rede de TV americana CNN, a movimentação militar marca o início da operação chamada "Justiça Infinita" e deve, num primeiro momento, aumentar a pressão sobre o regime afegão para que entregue o suposto terrorista saudita Osama bin Laden.Mas o secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld, ressaltou nesta quarta-feira que a campanha militar antiterrorista americana não se limitará a Bin Laden. "Há um certo número de organizações terroristas ativas em todo o mundo. O presidente, em suas diretivas, não se limita a um único homem ou organização", disse.O presidente americano, George W. Bush, deve comparecer nesta quinta ao Congresso para informar os legisladores sobre o andamento das investigações da série de ataques do dia 11 e explicar as medidas de retaliação que pretende tomar.Entre os aviões de guerra que reforçarão a frota das bases americanas do Golfo, estão caças F-15 e F-16, aviões espiões U-2 e radares Awacs.O Theodore Roosevelt, impulsionado por dois reatores nucleares, dispõe de quatro catapultas para o lançamento de seus aproximadamente 85 aviões de ataque F-14 e F/A-18 Hornet.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.