EUA mudarão cor de pacotes de alimentos para diferenciá-los de bombas

O Pentágono planeja mudar a cor de dezenas de milhares de pacotes com ajuda alimentar sendo jogados no Afeganistão para diferenciá-los de pequenas bombas que ainda não explodiram. Alguns grupos humanitários reclamavam que os pacotes em amarelo vivo eram da mesma cor de pequenos explosivos disseminados por bombas de fragmentação. Crianças podem "confundir as coloridas bombas amarelas com pacotes de alimentos lançados de aviões - que também são amarelos - ou com brinquedos", disse hoje Andrew Wilder, do grupo Save the Children, num painel na Câmara dos Representantes. O general da Força Aérea Richard Myers, comandante do Estado Maior Conjunto, afirmou numa entrevista coletiva na quinta-feira que a cor dos pacotes com alimentos seria mudada para azul. Hoje entretanto, o porta-voz do Pentágono, Bryan Whitman, disse que o azul foi descartado devido a conotações culturais entre muçulmanos. Myers também afirmou que aviões americanos estavam lançado panfletos escritos em línguas locais explicando a diferença entre os pacotes com alimentos e as pequenas bombas, mas Whitman disse hoje que os planfletos não seriam jogados pelo menos até amanhã. Myers afirmou que os EUA já lançaram mais de um milhão de pacotes com alimentos para famintos afegãos desde o início da campanha de bombardeios em 7 de outubro. Myers e o secretário da Defesa Donald Rumsfeld também defenderam o uso de bombas de fragmentação, que grupos de direitos humanos criticam por provocar vítimas indiscriminadamente, como minas terrestres. "Elas estão sendo usadas contra tropas de linha de frente da Al-Qaeda e do Taleban para tentar matá-las, é por isso que estamos usando elas, para sermos totalmente duro", disse Rumsfeld.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.