EUA não ameaçaram bombardear o Paquistão, diz ex-diplomata

Washington não ameaçou bombardear o Paquistão até que o país voltasse à "idade da pedra" após o atentado de 11 de Setembro. Uma autoridade paquistanesa poderia ter distorcido a resolução americana que pressionava Islamabad por ajuda, segundo um ex-diplomata americano afirmou nesta segunda-feira. A informação é da agência de notícias Reuters.O presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, disse em entrevista, na semana passada, ao programa de TV 60 minutos que depois do 11 de Setembro os EUA ameaçaram bombardear o Paquistão se o país não colaborasse com a campanha norte-americana contra o talibã.Musharraf afirmou que, na época, o então vice-secretário de Estado, Richard Armitage, disse ao diretor da Inteligência do Paquistão para que "se preparasse para ser bombardeado. Prepare-se para voltar à Idade da Pedra".Em resposta, Armitage disse que "essa conversa nunca aconteceu. Eu lhe disse que para os americanos se tratava de uma questão de branco ou preto", explicou. "Ou o Paquistão estava conosco, ou estava contra nós. Não tenho dúvidas de que o chefe da inteligência foi bem convincente na língua que usou com o presidente Musharraf", concluiu.Na semana passada, Armitage disse na rede de TV CNN não ter feito a declaração. Nesta segunda-feira ele voltou a dizer que não ameaçou o Paquistão com o uso de força militar, e que não estava autorizado a usá-la.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.