EUA não irão comandar reconstrução do Haiti, diz ONU

O novo chefe da Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas para o Haiti (Minustah), o guatemalteco Edmond Mulet, afirmou, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que não há possibilidade de os Estados Unidos assumirem o controle da reconstrução do país após o terremoto da semana passada. Sem esconder a disposição de impedir o avanço norte-americano, o representante da ONU mandou um recado: "A presença deles aqui é temporária."

AE, Agencia Estado

21 de janeiro de 2010 | 11h04

Mulet assumiu o comando da Minustah após a morte do tunisiano Hedi Annabi no terremoto ocorrido na terça-feira da semana passada. Em meio ao socorro das vítimas, Porto Príncipe vive um mal-estar diplomático entre as tropas da ONU e dos EUA, oficialmente responsáveis apenas pela ajuda humanitária às vítimas.

O controle do aeroporto da capital pelos EUA e a movimentação militar norte-americana para a segurança da região têm incomodado o batalhão brasileiro, que executa, entre outras tarefas, a de monitorar as ruas de Porto Príncipe.

Mulet deixa claro que os EUA devem cumprir o que foi acertado: cuidar apenas da ajuda humanitária. Depois, segundo ele, as tropas norte-americanas terão de deixar o Haiti. "Quando entrarmos na parte da reconstrução do país, a força militar deles não será mais necessária", disse. "Acertamos com o governo americano uma distribuição de responsabilidades. O acordo é esse: as forças da ONU e a polícia do Haiti seguirão cuidando da segurança interna do Haiti."

Mulet afirmou ainda que não acredita que o presidente dos EUA, Barack Obama, ultrapasse os limites desse acordo. "Não é de seu interesse." A entrevista foi concedida na terça-feira, na Base de Logística da ONU em Porto Príncipe, após a cerimônia fúnebre de despedida dos corpos de 17 militares brasileiros mortos no terremoto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
HaititerremotoONUEUAcomando

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.