EUA não travarão outra guerra em solo no Iraque, diz Obama

Declaração foi dada um dia depois de o general Martin Dempsey, chefe do Estado-Maior Conjunto, ter deixado em aberto a possibilidade de enviar forças terrestres para combater o EI

O Estado de S. Paulo, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2014 | 19h21

BASE AÉREA MACDILL - O presidente americano, Barack Obama, prometeu nesta quarta-feira, 17, que os EUA não travarão outra guerra em solo no Iraque, numa tentativa de tranquilizar os americanos sobre o nível de envolvimento do país depois que um general graduado sugeriu que tropas de combate poderiam ser acionadas.

Obama, que gastou boa parte de seu mandato tentando se distanciar da guerra no Iraque, afirmou durante pronunciamento na Base Aérea MacDill, em Tampa (Flórida), que ataques aéreos serão o centro da contribuição para combater o Estado Islâmico (EI), junto com a coordenação de uma coalizão que ele afirmou agora contar com 40 países.

"Quero ser claro. As forças americanas que foram enviadas ao Iraque não terão uma missão de combate", disse Obama. "Como seu comandante-chefe, não vou comprometer vocês nem o restante de nossas Forças Armadas a combater outra guerra em solo no Iraque."

A mensagem do presidente foi dada um dia depois de o general Martin Dempsey, chefe do Estado-Maior Conjunto, ter deixado em aberto a possibilidade de enviar algumas forças terrestres durante uma participação no Congresso, o que deixou alguns democratas preocupados. / REUTERS 

Mais conteúdo sobre:
IraqueObamaEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.