EUA negam distanciamento de questões do Oriente Médio

Enviados norte-americanos negaram neste sábado as alegações de que os Estados Unidos visam diminuir seu papel nas questões do Oriente Médio. Eles insistiram que os laços políticos e a necessidade de energia dos EUA ligam o país à região é cheia de "ameaças e promessas".

AE, Agência Estado

08 de dezembro de 2012 | 19h21

O tom defensivo usado pelas autoridades norte-americanas em resposta às questões levantadas em uma conferência sobre segurança no Bahrein refletem a crescente especulação sobre uma possível aliança norte-americana com a Ásia em detrimento das questões do Oriente Médio.

Países da região, principalmente do Golfo Pérsico, têm pressionado o presidente norte-americano Barack Obama a tomar ações mais firmes na Síria, onde a Arábia Saudita e o Catar querem abrir canais para o envio de armamento às forças rebeldes que lutam para depor o presidente sírio, Bashar Assad. A Casa Branca tem falado em adotar maior cautela em relação à oposição na Síria, manifestando preocupação de que facções islamitas possam se fortalecer com o envio de armas.

"A ideia de que os EUA se afastarão do Oriente Médio é uma bobagem", disse o senador republicano John McCain durante a conferência. Ele afirmou também que acredita que há um "aumento consistente" de rebeldes inspirados na Al-Qaeda se juntando à oposição na guerra civil da Síria. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAOriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.