EUA negam envolvimento em complô para matar Evo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, negou hoje qualquer relação de seu governo com um suposto plano para matar seu colega boliviano, Evo Morales. A informação foi divulgada por um funcionário norte-americano ligado às discussões ocorridas na Cúpula das Américas. "O presidente deixou claro a política de sua administração de não apoiar qualquer dessas atividades", disse o funcionário sobre o encontro. A fonte falou neste domingo, sob condição de anonimato.

AE, Agencia Estado

19 de abril de 2009 | 19h04

Obama fez a negativa no sábado, durante um encontro com líderes sul-americanos. Morales, um dos mais críticos presidentes da região aos Estados Unidos, foi o autor da acusação do suposto envolvimento de oposicionistas de direita boliviana no plano.

Morales disse a jornalistas presentes na cúpula que pediu a Obama para condenar o complô. Segundo o líder boliviano, oposicionistas de direita participaram do plano, que incluiria também o assassinato do vice-presidente, Álvaro García.

Na quinta-feira, a Bolívia anunciou a morte de três suspeitos em um hotel em Santa Cruz de la Sierra. Duas pessoas foram presas e armas foram apreendidas, no que foi descrito como um complô de "mercenários internacionais" contra o governo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABolíviacomplô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.