EUA negligenciam maior fábrica de mísseis do Iraque

Mais de uma década de suspeitas acerca da indústria de mísseis iraquiana e a capacidade de Saddam Hussein de usá-la para disparar armas de destruição em massa pode acabar rapidamente, agora que as forças dos EUA controlam o território iraquiano. Mas nenhum agente ou inspetor de armas americano ainda se deu ao trabalho de visitar a estatal al-Fatah, que projetou todos os foguetes lançados pela ditadura iraquiana entre 1991 e a invasão do país neste ano.?Temos documentos delicados aqui?, diz Marouf al-Chalabi, diretor-geral da al-Fatah, que fica em Bagdá. ?Tínhamos certeza de que os americanos visariam a gente, mas eles nem apareceram?. Saqueadores, porém, limparam o lugar. O complexo de três edifícios foi esvaziado: sumiram desde pranchetas a interruptores de luz. Entre o pouco que restou, porém, há aquilo que os inspetores de armas da ONU sempre quiseram mas nunca conseguiram obter: projetos e resultados de testes para cada modelo de míssil e ogiva já desenvolvido pelo Iraque.Os papéis estão espalhados pelo chão do escritório, e voam ao sabor do vento. ?Estão por toda parte?, queixa-se al-Chalabi.Especialistas americanos e inspetores de armas dos EUA, cujas identidades não foram reveladas por motivos de segurança, mostraram-se espantados ao saber que os planos por trás das armas iraquianas estão disponíveis. Eles disseram que a al-Fatah sequer constava de sua lista de lugares a visitar. Já os inspetores internacionais da ONU estavam pressionando o governo iraquiano por mais informações acerca dos modelos mais recentes da fábrica, pouco antes de a guerra começar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.