EUA negociam com Rússia solução diplomática na Crimeia

Os Estados Unidos estão trabalhando para convencer a Rússia a usar a diplomacia para lidar com os seus interesses na Ucrânia e de que haverá custos para qualquer nova escalada das tensões na Crimeia, disse o secretário de Comunicação do governo Obama, Jay Carney, nesta terça-feira. Na quarta-feira, o primeiro-ministro interino da Ucrânia, Arseniy Yatsenyuk, deve se encontrar com Obama na Casa Branca. "Apoiamos firmemente a Ucrânia e a legitimidade do governo ucraniano", destacou o secretário durante o relatório de imprensa diário.

AE, Agência Estado

11 de março de 2014 | 17h33

Carney salientou que o governo norte-americano está tentando persuadir a Rússia a evitar ações agressivas na Crimeia, com oficiais trabalhando para ver se os russos "estão dispostos a resolver essa situação diplomaticamente".

Ele assinalou que o secretário de Estado, John Kerry, está em contato regular com o ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov. Eles conversaram novamente na quinta-feira, apontou Carney, acrescentando que "esses diálogos irão continuar".

Por ora, Carney reforçou que haverá custos para a Rússia no caso de ações na Crimeia. "Temos uma ferramenta flexível no decreto que o presidente assinou que nos permitirá calibrar o custo dependendo das decisões que a Rússia tomar", acrescentou. Outras medidas contra a Rússia dependerão se o país optar ou não por manifestar suas preocupações com a Ucrânia de forma pacífica, disse o secretário. Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
euarússiaucrâniadiplomaciacrimeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.