EUA oferecem cidadania a cientistas do Iraque

O governo dos Estados Unidos está apressando o processo de concessão de cidadania americana a cientistas iraquianos que estejam dispostos a denunciar os supostos programas de produção de armas de destruição em massa de Saddam Hussein. De acordo com uma lei aprovada pelo Senado americano na quarta-feira, cerca de 500 cientistas poderão obter o green card se revelarem informações importantes sobre os programas de armas. Segundo a BBC, a lei, que pode ser aprovada pela Câmara dos Representantes hoje, se aplica a cientistas, engenheiros e técnicos. O green card é um visto de imigrante que possibilita ao titular trabalhar e morar legalmente nos EUA. O titular tem os mesmos benefícios que um cidadão americano, mas não pode votar ou se candidatar à presidência.A nova lei coincide com a chegada, ao Iraque, da primeira equipe de inspetores de armas da Organização das Nações Unidas (ONU). O grupo está fazendo os preparativos iniciais para as inspeções. Efeito duploO governo americano espera que a lei tenha um efeito duplo. Em primeiro lugar, ela revelaria detalhes sobre as armas de destruição em massa que, Washington acredita firmemente, os iraquianos estão fabricando. Em segundo, a lei ajudaria a privar o Iraque dos cientistas, vitais no desenvolvimento dos programas de armas. ?A emigração de cientistas, engenheiros e técnicos do Iraque pode prejudicar substancialmente os programas para a produção de armas de destruição em massa?, diz a lei.Quem se qualifica?Para participar do esquema, os especialistas precisam ter trabalhado em um programa para produção de armas de destruição em massa a partir de 1998. Eles precisam oferecer informações importantes e confiáveis, que possam oferecer evidências de que, apesar de negar, o governo do Iraque está empenhado na produção de armas químicas, biológicas ou nucleares.Os que se qualificarem, juntamente com suas famílias, poderão ser isentados dos procedimentos normais para imigração e obter residência permanente nos Estados Unidos. A cidadania será concedida a um número máximo de 500 cientistas.As informações são da BBC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.