EUA oferecem US$ 10 milhões pela captura de líder terrorista

A administração americana no Iraque divulgou hoje um novo valor a ser pago pela cabeça do terrorista jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, supostamente da Al-Qaeda: US$ 10 milhões. Ele é acusado de decapitar os reféns americano e coreano e de organizar diversos ataques contra tropas dos Estados Unidos no país."Ele ainda é o nosso alvo número 1 nesse país", disse o brigadeiro Mark Kimmitt, diretor de operações militares americanas no Iraque. "Queremos que cada cidadão desse país entenda que tem um papel a cumprir na caçada a Zarqawi".De acordo com o presidente George W. Bush, "Zarqawi usa a m pridir o avanço da liberdade. Ele recruta suicidas e organiza ataques porque deseja que nos retiremos do Iraque. Ele quer que o primeiro-ministro (Iyad) Allawi desista".O grupo liderado por Zarqawi se responsabilizou pelos ataques ocorridos na última quinta-feira, em que morreram mais de 100 iraquianos e três soldados americanos, além do atentado à bomba que matou o líder do Conselho de Governo do Iraque em maio desse ano.Faluja - Líderes tribais em Faluja negaram hoje que o terrorista esteja escondido na cidade. "Trata-se de uma mentira, só para avalizar os ataques contra casas e cidadãos, (...) assim como a existência de armas de destruição em massa foram uma desculpa para a agressão contra o Iraque", afirma o relatório do Conselho Geral dos Líderes Tribais de Faluja, em alusão aos ataques perpetrados pelo Exército dos EUA na última semana contra prédios na cidade. "A população de Faluja não precisa de ninguém para defendê-la, nem Zarqawi, nem seus seguidores", continuou o relatório.A recompensa de US$ 25 milhões oferecida pela captura de Sadam Hussein, no início da campanha no Iraque, nunca chegou a ser paga. No entanto, US$ 30 milhões foram desembolsados pela Casa Branca como recompensa pela informação que levou ao assassinato dos filhos do ex-líder iraquiano, Qusay e Uday, em julho do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.