EUA omitiram existência de soldados feridos por armas químicas no Iraque

EUA omitiram existência de soldados feridos por armas químicas no Iraque

Soldados dos EUA encontraram cerca de 5 mil armas químicas, entre projéteis e bombas para serem usadas em aviões, dizem os testemunhos de 12 pessoas e documentos do governo obtidos pelo jornal

O Estado de S. Paulo

15 de outubro de 2014 | 15h21

WASHINGTON - Os Estados Unidos omitiram a existência de pelo menos seis soldados feridos por armas químicas abandonadas ou escondidas pelo regime Saddam Hussein durante a Guerra do Iraque (2003-2011), revelou investigação publicada nesta quarta-feira, 15, pelo jornal The New York Times.

"Durante esses anos, tropas americanas e iraquianas encontraram repetidamente armas químicas abandonadas e, em várias ocasiões, os soldados ficaram feridos", afirma a reportagem.


No total, os soldados dos EUA encontraram cerca de 5 mil armas químicas, entre projéteis e bombas para serem usadas em aviões, dizem os testemunhos de 12 pessoas e documentos do governo obtidos pelo jornal.

"Os EUA tinham ido à guerra declarando que deveriam acabar com as armas de destruição em massa ativas. No entanto, os soldados americanos foram encontrando e sendo vítimas dos restos de programas abandonados há muito tempo, construídos com estreita colaboração do Ocidente", afirma o jornal.

Segundo o The New York Times, as armas eram sobras de um programa iraquiano lançado nos anos 80 durante a guerra Iraque-Irã (1980-1988) e fabricadas antes de 1991.

O jornal diz ter encontrado 17 oficiais americanos e outros 7 policiais iraquianos expostos a gás mostarda e gás nervoso após 2003. O número é ligeiramente superior aos dados oficiais, segundo afirmaram as fontes, embora essa informação seja considerada como confidencial.

De acordo com o jornal, o Pentágono não quis se pronunciar sobre o conteúdo da reportagem.

"Os segredos do governo, afirmam as vítimas e participantes, impediram que os soldados recebessem uma informação médica adequada e o reconhecimento oficial por seus ferimentos", indica o The New York Times.


"Essas revelações são motivo de preocupação agora que o Estado Islâmico controla boa parte do território onde foram encontradas essas armas", conclui. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.