REUTERS/Marco Bello
REUTERS/Marco Bello

EUA ordenam que parentes de funcionários da embaixada deixem a Venezuela

Em uma advertência de viagem, também aconselhou os cidadãos a não viajarem para o país sul-americano 'devido a distúrbios sociais, crimes violentos e à onipresente falta de alimentos e medicamentos'

O Estado de S.Paulo

27 Julho 2017 | 22h03

WASHINGTON - Os Estados Unidos ordenaram nesta quinta-feira, 27, que os parentes dos funcionários americanos da sua embaixada em Caracas deixem a Venezuela e autorizaram a saída voluntária dos integrantes da missão diplomática devido à crise política e à violência vigente, informou o Departamento de Estado em comunicado.

Em uma advertência de viagem, também aconselhou os cidadãos a não viajarem para o país sul-americano "devido a distúrbios sociais, crimes violentos e à onipresente falta de alimentos e medicamentos".

"A situação política e de segurança da Venezuela é imprevisível e pode mudar rapidamente", ressalta esta nova advertência de viagem do Departamento de Estado, que substitui a que foi emitida em 15 de dezembro de 2016.

O alerta ressalta, além disso, que desde abril há manifestações "diariamente" em todo o país, que geralmente "provocam uma forte resposta policial" que inclui o uso de gás lacrimogêneo ou balas de borracha contra os participantes.

As "organizações armadas" associadas com o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro "frequentemente usam a violência para intimidar os manifestantes", informou a pasta, que também destacou que os confrontos dos últimos meses causaram "mais de 70 mortes".

Na quarta-feira, o governo dos EUA aumentou a pressão contra o plano do governo venezuelano de realizar no domingo uma Assembleia Nacional Constituinte (ANC) ao sancionar 13 funcionários e ex-funcionários públicos venezuelanos, e alertou que, de caso a votação aconteça, poderia marcar o "fim da democracia na Venezuela".

Dos 13 sancionados pelo Departamento do Tesouro, quatro foram punidos por terem promovido a Assembleia Constituinte ou por "minar a democracia e os direitos humanos na Venezuela".

Entre eles destaca-se Elías Jaua, presidente da Comissão Presidencial para a Constituinte, ministro de Educação e ex-vice-presidente da Venezuela; e Tibisay Lucena, presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), que defendeu a convocação.

O Departamento do Tesouro também sancionou uma integrante da comissão dirigida por Jaua, María Iris Varela; e o defensor público da Venezuela, Tarek William Saab, por considerar que não está cumprindo o seu dever de "defender os direitos humanos" no país.

O presidente dos EUA, Donald Trump, advertiu na semana passada que imporia novas sanções ao governo Maduro se seguisse adiante com a realização da Assembleia Constituinte. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.