EUA pede que Coréia do Norte honre moratória nuclear

O porta-voz do Departamento de Estado americano, Sean McCormack afirmou nesta quarta-feira que aparentemente a Coréia do Norte fez um teste de mísseis, o que na opinião do governo americano é "uma ameaça para a região". A agência de notícias japonesa Kyodo informou nesta quarta-feira que baterias antiaéreas norte-coreanas lançaram acidentalmente dois mísseis terra-ar perto de sua fronteira com a China, mas não soube informar o momento em que aconteceu esse lançamento ou o lugar exato que os mísseis caíram. McCormack não especulou sobre a coincidência deste lançamento "errado" com as informações sobre novos preparativos militares da Coréia do Norte, oferecidas ao Senado dos Estados Unidos pelo comandante-em-chefe das forças americanas na Coréia do Sul, Burwell Bell. Bell afirma que a Coréia do Norte está preparando um novo tipo de míssil balístico que pode chegar ao arquipélago de Okinawa, no extremo sul do Japão, e à ilha de Guam, no Pacífico Ocidental americano. Segundo o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, o governo norte-coreano deve interromper os testes e retornar às negociações com a Coréia do Sul, Japão, China, Rússia e os EUA. McClellan pediu à Coréia do Norte que aceite uma moratória sobre testes de mísseis, que faz parte das conversas para o fim das atividades nucleares da península coreana. A Coréia do Norte mantêm a posição adotada em novembro do ano passado de não participar das negociações sobre seu programa nuclear até que sejam suspensas as restrições financeiras impostas por acusações de lavagem de dinheiro e contrabando. Técnicos financeiros da Coréia e dos Estados Unidos se reuniram esta semana em Nova York para discutir essas restrições.

Agencia Estado,

08 Março 2006 | 18h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.