EUA pedem à Coreia do Norte compromisso com desarmamento nuclear

Americanos querem que Pyongyang não se limite ao discurso e dê passos concretos sobre a questão

Efe

13 de setembro de 2010 | 09h28

SEUL - O representante especial dos EUA para Coreia do Norte, Stephen Bosworth, pediu nesta segunda-feira, 13, ao governo de Pyongyang que dê passos concretos capazes de demonstrar seu compromisso com a desnuclearização, visando retomar as negociações de seis lados.

 

Bosworth, que visita Seul para abordar o desarmamento nuclear norte-coreano, deixou claro que Washington não está interessado em falar sem pensar com a Coreia do Norte. "Queremos negociações que deem resultado significativo", enfatizou Bosworth, acrescentando que os EUA esperam que a atitude norte-coreana não fique simplesmente na retórica, segundo a agência local Yonhap.

 

Os EUA são favoráveis a eventuais contatos bilaterais e depois multilaterais que conduzam ao reatamento das negociações de seis lados, suspensas desde dezembro de 2008. Bosworth, porém, considerou que antes há muito trabalho por fazer.

 

Esse processo é similar a proposta feita ao governo chinês para celebrar diálogo bilateral entre os EUA e a Coreia do Norte antes da reunião com os membros do diálogo de seis lados - China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, EUA, Rússia e Japão.

 

Bosworth fez as declarações depois de se reunir com o negociador sul-coreano no diálogo nuclear, Wi Sung-lac. Em Seul, o alto funcionário americano se reuniu com o ministro de Exteriores interino sul-coreano, Shin Kak-soo, e o titular de Unificação, Hyun In-taek.

 

Sua viagem se produz entre sinais de uma melhoria de relações entre Seul e Pyongyang, após meses de fortes tensões pelo afundamento em março de um navio sul-coreano, que causou 46 mortos e que Seul atribui a um torpedo norte-coreano.

 

A Cruz Vermelha da Coreia do Sul anunciou que enviará a Coreia do Norte 5 mil toneladas de arroz e 10 mil toneladas de cimento para atenuar o efeito das inundações de agosto nesse país.

 

Neste sábado, a Cruz Vermelha norte-coreana propôs ao organismo humanitário sul-coreano que se celebre uma nova rodada de reuniões de famílias separadas pela Guerra da Coreia (1950-1953) no monte norte-coreano de Kumgang.

 

Nos últimos meses, a Coreia do Norte se mostrou disposta a retomar as conversas multilaterais para seu desarmamento nuclear, enquanto Coreia do Sul e os EUA reivindicaram uma atitude responsável sobre o afundamento da embarcação sul-coreana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.