EUA pedem a Israel que rejeite qualquer contato com a Síria

Os Estados Unidos pediram a Israel que desista de qualquer tentativa de lidar com a Síria, para verificar se Damasco contempla seriamente a realização de negociações de paz com o Estado judeu, segundo a edição desta sexta-feira, 23, do jornal israelense Ha´aretz.De acordo com funcionários do governo citados pelo jornal sob condição de anonimato, a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, foi perguntada por diplomatas israelenses durante sua visita a Jerusalém esta semana sobre se era necessário comprovar se o presidente sírio, Bashar al-Assad, fala sério quando faz chamados à paz.A resposta da chefe da diplomacia americana foi taxativa, segundo as fontes diplomáticas: "Nem se quiserem".No dia seguinte à visita de Rice a Jerusalém e à realização de uma cúpula tripartite com o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, o chefe do governo israelense, em entrevista coletiva, rejeitou a possibilidade de negociar com a Síria e questionou a sinceridade dos chamados à paz de Damasco.O que interessa à Síria "não é a paz, mas apresentar-se como um país que ama a paz", disse Olmert.O premier insistiu em que Damasco não pode fingir que quer a paz, enquanto ajuda o Irã e organizações que planejam atentados terroristas contra Israel.O argumento dos EUA para rejeitar "conversas exploratórias" com a Síria, é que isto significaria "premiar" um país que continua atuando para desestabilizar o governo do Líbano e propagar a violência no Iraque em detrimento das tropas americanas.Em Israel, no entanto, há divisão de opiniões a respeito da utilidade de negociar com a Síria.O chefe dos serviços secretos Mossad, Meir Dagan, compartilha, segundo o "Ha´aretz", o ponto de vista americano.Por outro lado, os serviços de inteligência do Exército pensam que seria preciso iniciar conversas com a Síria, embora sejam céticos a respeito de que possam culminar em um acordo de paz.Dentro do governo, a posição do primeiro-ministro está de acordo com a dos EUA, enquanto nos ministérios de Defesa e Relações Exteriores se é mais propício a manter um diálogo com a Síria.O ministro da Defesa, Amir Peretz, pediu na quinta-feira, 22, a seus oficiais que se abstenham de fazer declarações alarmistas sobre a Síria, a fim de evitar uma nova escalada na região.Peretz fez esse pedido depois de o Ha´aretz publicar que Damasco iniciou uma campanha sem precedentes para reforçar suas Forças Armadas, com a qual Irã e Rússia estariam colaborando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.