EUA pedem ajuda da China nas negociações com a Coréia do Norte

O subsecretário de Estado dos Estados Unidos, Christopher Hill, fez um acordo neste sábado com o chefe negociadorda Coréia do Sul, Chun Yung-Woo, para pedir à China que atue junto às autoridades norte-coreanas para evitar novos lançamentos de mísseis. Yung-Woo e Hill analisaram as medidas após o lançamento, na quarta-feira passada, de mísseis norte-coreanos e as formas para retomar o diálogo multilateral (entre as duas Coréias, China, EUA, Rússia e Japão) sobre a crise nuclear provocada pelo país comunista.Hill considerou um encontro multilateral a melhor saída para a solução da crise nuclear norte-coreano. Disse ainda que Seul e Washington dão boas-vindas à iniciativa do governo chinês deorganizar uma reunião do tipo de caráter informal.A ofensiva diplomática de Hill na Ásia começou na sexta-feira em Pequim, onde participou de reuniões com autoridades chinesas nas quais não mencionou a imposição de sanções ao regime da Coréia do Norte.Hill defendeu a retomada do estagnado diálogo multilateral e se mostrou disposto a aplicar o comunicado de setembro do ano passado, no qual Pyongyang se comprometia com os cinco países da reunião a renunciar a seu programa armamentista em troca de ajuda energética.China e Rússia, membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas, se opõem à imposição de sanções ao regime de Pyongyang.A atitude aberta ao diálogo de Hill pode ser considerada uma vitória para a Coréia do Norte, já que, como em ocasiões anteriores, seus ganhos econômicos e diplomáticos foram precedidos de mostras de força.Em junho de 2000, quase dois anos depois do lançamento de um míssil de longo alcance que sobrevoou o território japonês e caiu no Pacífico, a Coréia do Norte recebia a visita histórica do então presidente sul-coreano Kim Dae Jung.SançõesCom o disparo de sete mísseis, um deles com autonomia para alcançar território continental americano, o país conseguiu, por enquanto, que Washington aceite retomar as reuniões que estavamestagnadas desde setembro, quando os EUA impuseram sanções financeiras contra a Coréia do Norte pela suposta falsificação de dólares e por lavagem de dinheiro.Hill afirmou ainda que está disposto a se reunir com o vice-ministro norte-coreano de Assuntos Exteriores, Kim Kye-gwan, dentro da reunião bilateral extra-oficial com os outros países negociadores.O subsecretário esperar "coordenar posturas" com as autoridadessul-coreanas na reunião interministerial da próxima semana entre as duas Coréias, na qual serão abordados temas como a cooperação bilateral. Hill viajará amanhã para o Japão, na que talvez seja a etapa mais difícil de sua curta viagem asiática por ter proposto a Tóquio sanções nas Nações Unidas contra o regime de Pyongyang.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.