EUA pedem boicote ao petróleo da Síria

Secretária de Estado americana afirma que medida é a mais eficaz para pressionar regime de Assad

AE, Agência Estado

12 de agosto de 2011 | 14h43

MANAMA - Os Estados Unidos querem um embargo global ao petróleo e gás sírios. A secretária de Estado americana Hillary Clinton disse nesta sexta-feira, 12, que países que compram combustível da Síria deveriam "passar para o lado certo da história" e não conceder ao presidente Bashar Assad qualquer apoio financeiro para a repressão contra os opositores do governo.

 

Veja também:

especialMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 

Ela também pediu a interrupção da venda de armas para a Síria. Hillary declarou nesta sexta-feira que a opinião internacional está endurecendo em relação a Assad.

 

 

A secretária disse que a melhor maneira para pressionar a Síria a encerrar a repressão aos protestos contra o regime de Assad é justamente impor sanções sobre o setor de óleo e gás, o que dependeria do envolvimento de outros países. Na quinta-feira, Hillary já havia pedido a outros governos que se pronunciassem repudiando a violência na nação árabe.

Alguns países europeus, a China e a Índia têm investimentos em energia na Síria e a Rússia vende armas para o país. Hillary deu a entender que ações internacionais mais duras devem ser tomadas em breve. Ela disse que Assad "perdeu a legitimidade para governar e está claro que a Síria seria melhor sem ele".

 

Ativistas dizem que mais de 1.700 civis morreram desde que o regime de Assad iniciou a repressão às manifestações, que começaram em março. O governo afirma que grupos armados são os culpados pela violência, que também já deixou 500 soldados e policiais mortos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASíriaHillarypetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.