EUA pedem diálogo na Bolívia

Os Estados Unidos expressaram seu apoio ao presidente da Bolívia, Gonzalo Sánchez de Lozada, e pediram a todos os setores do país sul-americano para que "respeitem o governo constitucionalmente eleito e abandonem a violência". Em um comunicado lido pelo porta-voz do Departamento de Estado, Richard Boucher, os Estados Unidos "lamentaram" as mortes causadas pela violência na Bolívia e expressaram sua satisfação "com o acordo alcançado entre o governo e a polícia nacional".Ao mesmo tempo, a chancelaria americana pediu atenção à "responsabilidade tanto da polícia como dos militares com relação ao respeito às leis bolivianas e à manutenção da ordem".Também hoje, em Assunção, os países membros do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) e o Chile emitiram um comunicado conjunto no qual expressam sua "preocupação com os atos de violência ocorridos na Bolívia, que deixaram um saldo pelo menos 18 mortos?."Os governos dos países membros do Mercosul e o Chile manifestam sua profunda preocupação com os acontecimentos na República da Bolívia", afirma o comunicado. A declaração foi emitida em Assunção porque o governo paraguaio exerce atualmente a presidência rotativa do Mercosul. Chile e Bolívia são membros associados da união.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.