EUA pedem para BP monitorar possível novo vazamento

O almirante da reserva da Guarda Costeira, Thad Allen, responsável pela resposta do governo norte-americano ao vazamento no Golfo do México, pediu na noite de ontem que a British Petroleum (BP) monitore sinais de petróleo e gás que podem estar sendo expelidos a alguma distância do poço Macondo. Allen pediu que a BP tenha pronto um plano para reabertura do poço rapidamente caso seja verificado que há danos ali. Ele afirmou que autorizou a companhia a manter a cúpula de contenção sobre o poço por mais 24 horas.

AE-AP, Agência Estado

19 de julho de 2010 | 10h14

Em comunicado divulgado hoje, Allen disse que um grupo de cientistas federais realizaram uma teleconferência com representantes da BP na noite de ontem. Segundo ele, os especialistas receberam as respostas que esperavam sobre a ação de monitoramento no fundo do mar em caso de algum vazamento surgir no poço. Allen havia entrado em contado com a BP um dia antes para dizer que uma rachadura foi detectada a uma certa distância do poço.

O almirante disse em seu comunicado hoje que só vai permitir que a cúpula de contenção seja mantida se a BP continuar a cumprir suas obrigações de observar sinais que possam piorar a situação. Segundo a BP, a pressão no poço está aumentando lentamente, o que indica que não há vazamento em outros locais. A companhia também afirmou que o problema está no caminho certo para ser solucionado na primeira metade de agosto. Até agora, os custos do vazamento para a BP já alcançaram US$ 3,95 bilhões. Com informações da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ambientepetróleoBPvazamentoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.