EUA pedem para Nicarágua destruir estoques de mísseis

Os Estados Unidos querem que a Nicarágua destrua centenas de mísseis de fabricação soviética para a proteção do espaço aéreo, após o presidente do país, Daniel Ortega, dizer que as bombas são necessárias para o sistema de defesa nicaragüense. Ortega, um antigo revolucionário que retornou à presidência em 10 de janeiro, afirmou, na sexta-feira, que seria absurdo destruir os mísseis SAM-7, enquanto seu vizinho Honduras adere aos planos militares dos Estados Unidos. A Nicarágua mantém uma disputa territorial com o vizinho desde 1999.A Embaixada dos Estados Unidos no país divulgou, nesta segunda-feira, um comunicado à imprensa afirmando que Honduras está comprando oito pequenos aviões dos EUA, com a finalidade de intensificar a luta contra o tráfico de drogas e não para um plano de ataque aéreo. "Os EUA esperam que a Nicarágua continue estabelecendo programa de desarmamento e destruição de materiais bélicos.Autoridades nicaragüenses afirmam ter destruído metade do seu estoque inicial, algo em torno de 2 mil mísseis e antecessor de Ortega se ofereceu para destruir mais 651 artefatos. A União Soviética forneceu os mísseis para Nicarágua ainda quando o país era um de seus aliados durante a Guerra Fria, na época em que o governo esquerdista sandinista tomava conta do poder local.O principal temor das autoridades norte-americanas é de que os mísseis caiam nas mãos de terroristas. Os sandinistas têm argumentado contra a destruição dos mísseis porque os países com os quais disputa fronteiras não aderiram a planos de desarmamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.